24 de outubro de 2013

Zélio de Moraes falando da anunciação da Umbanda


Essa gravação foi realizada em novembro de 1971, 63º aniversário da Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade e da Religião da Umbanda no Brasil. Na abertura da gravação ouvimos o ponto de chamada do Caboclo das Sete Encruzilhadas:
"Chegou , chegou com Deus, chegou, chegou o Caboclo das Setes Encruzilhadas". O texto começa com Zélio de Moraes falando “Ao meu lado está o Caboclo das Sete Encruzilhadas”, a impressão que dá é que ele está ouvindo e repetido as palavras do Sr Sete Encruzilhadas, para, logo em seguida este lhe tomar a frente da comunicação. Este é um dos poucos registros em que, de forma direta e incisiva, é abordada a criação e o nascimento da Religião de Umbanda, por seu idealizador e praticante primeiro:
"Queridos irmãos, ao meu lado está o Caboclo das sete Encruzilhadas para dizer a vocês que esta Umbanda tão querida de todos nós, fez ontem 63 anos, que na Federação Kardecista do estado do Rio, presidida por José de Souza, conhecido por Zeca e rodeado de gente velha, homens de cabelos grisalhos, um enviado de Santo Agostinho chamou meu aparelho, me chamou, para sentar a sua cabaceira. Trazia uma ordem, fora jesuíta até aquele momento, chamava-se Gabriel Malagrida, daquele instante ele ia criar a Lei de Umbanda, onde o Preto e o Caboclo pudessem manifestar porque ele não estava de acordo com a Federação Kardecista que não recebiam Pretos nem Caboclos. Pois se o Brasil, o que existia no Brasil eram Caboclos, eram nativos, se no Brasil, quem veio explorar o Brasil, trouxe para trabalhar, para engrandecer este país, eram os Pretos da costa da África, como é que uma Federação Espírita não recebia Caboclo nem Preto? Então disse eu, disse o espírito: Amanhã na casa de meu aparelho na Rua Floriano Peixoto 30, será inaugurado uma Tenda Espírita com o nome de Nossa Senhora da Piedade, que se chamará Tenda de Umbanda, aonde o Preto e o Caboclo pudessem trabalhar. Houve balburdia, embora eles reconhecessem a mediunidade que eu trazia, mas eu era muito moço pois tinha feito 17 anos e por doença fui levado a federação, porque os médicos não me davam jeito. Então este espírito que nós chamamos o Chefe, o Caboclo das sete Encruzilhadas, implantou na federação, chamando aqueles senhores, todos de cabelos grisalhos, senhores de responsabilidade, para assistirem a sessão na Rua Floriano Peixoto nº 30. E o presidente da federação perguntou: E o meu irmão vai acreditar que lá tenha alguém amanhã? A minha resposta, a resposta do Caboclo: Botarei no cume de cada montanha que circula Neves, uma trombeta tocando, anunciando a existência de uma Tenda Espírita onde o Preto e o Caboclo pudesse trabalhar. Foi a 15 de Novembro de 1908. No dia 16 de novembro a nossa casa ficou cheia, ficou cheia, e eu posso dizer aos meus irmãos, só fiz levado por este espírito que é o nosso guia porque eu não queria aceitar, eu estava sem saber, achando uma coisa extraordinária. Eu ia assumir uma responsabilidade de ter uma Tenda Espírita, de receber um guia pra fazer que os doutos, doutores fossem lá, buscar a cura de seus entes queridos".

Nessa parte da gravação percebe-se que o Caboclo das Sete Encruzilhadas assume seu aparelho:
"Pois meu irmão, tudo isto fiz eu, o meu anunciar da Tenda foi tomar o meu aparelho e começar a produzir, a curar aqueles que estavam lá, ou fosse por isso, ou fosse por aquilo, mas Deus que é sumamente misericordioso levou um cego e outras pessoas, como também paralíticos na Tenda da Piedade, na minha frente, eu disse à vista de todos: Se tem fé levanta e caminha, porque quando chegar perto de mim estarás curado. Passaram-se os anos e tudo aquilo que eu disse, a pelanta que está presente de muitos anos que me acompanha, falando, pedindo e trazendo exemplos de Jesus quando passou na terra, que foram ao seu encalço pedir harmonia para sua casa, a resposta foi essa: Você, feche os olhos para a casa dos seus vizinhos, feche a boca para não murmurar contra quem quer que seja, não julgues para não ser julgado, pense em Deus que a paz entrará na sua casa herdas do evangelho e tomaram por ensinamento as minhas palavas e a Tenda começou a seguir o seu ritmo aquilo que eu desejava. Passado alguns anos já em 20 e poucos em 18 no fim da guerra anunciava que camadas negras baixariam ao planeta terra e quem em 69, em 69, 68, esse espíritos já estariam encarnados em outros corpos e viriam trazer a perturbação nesse planeta. A mulher perderia a honra e a vergonha e o homem o caráter atento a quem assistiu está presente, no entretanto, a igreja, o Vaticano estava de greve eu sentia que os tempos se aproximavam e o Papa não seria respeitado porque os bispos seriam os primeiros a não querer ouvir as ordens emanadas do Vaticano. Estão vendo o que está se passando atualmente nós estamos sabendo o que se passa pelo mundo inteiro. Já o Papa não tem aquelas, não se respeita as palavras do Papa infelizmente porque a religião, seja ela qual for, desde que tenha por base cristã em Deus, acredito  que seja uma religião boa. Desejar ao seu próximo aquilo que deseja para si, cumprir os mandamentos da lei de Deus é ser perfeito e principalmente em qualquer religião, mas principalmente na religião espírita para que o médium seja um instrumento que possa ser tocado por qualquer professor de música que venha executar uma... qualquer coisa, uma valsa, qualquer música enfim. Por isso meus irmãos, criei sete Tendas na Capital da Republica no Distrito Federal, a primeira foi criada e entregue a nossa irmã Gabriela, mais tarde 2 anos ou 3 anos depois passei para José Meireles, que foi também, que era um deputado federal, que foi em busca da cura de sua filha e a resposta do velho Pai Antônio: Vai a tua casa no último canteiro vais arrancar, mexer a terra e encontrar umas raízes, vai cozinhar essas raízes e dar a tua filha que ela está curada. Era batata da angélica porque não havia naquela ocasião flores, as batatas estavam somente debaixo da terra. Foi um esteio, foi um elo, foi um braço direito pra me ajudar para que essa Umbanda chegasse ao ponto que está chegando. Depois das Tendas criadas, criei a Tenda da Nossa Senhora da Guia de Oxóssi, criei a Tenda de Oxalá, a Tenda de Ogum, a Tenda de Xangô, a Tenda de Santa Bárbara, enfim, criei sete Tendas. Depois de elas funcionarem, depois de tirar os médiuns dessa Tenda para que os médiuns pudessem trabalhar em outras Tendas, formadas estas Tendas vamos criar a Federação de Umbanda no Brasil. Chamei Idelfonso Monteiro, Maurício Marcos de Lisboa, Major Alfredo Marinho Ravache, hoje General, era Major naquele tempo, enfim, botei cinco pessoas para se fazer a Federação de Umbanda no Brasil. Criou- se a Federação e ela começou, então a Federação Kardecista veio embargando porque não podia ter espírita, não podia ter em nome certas coisas do mundo, mas a Federação de Umbanda foi criada, está criada e está funcionando. Mais tarde a Tenda da Piedade continuou a trabalhar contando com a assistência deste aparelho que falo, continuou a produzir, a curar, porque a cura de loucos nestes 63 anos, trabalhando para uma casa de saúde, que os médicos nos procuravam, iam a nossa casa, a casa do meu aparelho para pedir, para saber quais os loucos que tinham cura, dando os nomes e apontando: esse, esse, esse e esse tem cura, os outros não, porque esses são atuados por espíritos e nós vamos afastar estes espíritos e a maluquice passa. Veio então mais tarde à formação de um jornal de propaganda para a nossa Umbanda, aí contamos com o secretário da Tenda, Luiz Marinho da Cunha, contamos com Leal de Souza e outros que eram fervorosamente espíritas, pelas coisas que ele sentiu e pelas coisas que ele recebeu, das graças de Deus, transmitidas por nós a sua pessoa. E meus irmãos, a Umbanda continua, nasceu em 1908 na Federação Kardecista de Niterói, está lá escrita, presidida por José de Souza, que conheciam por Zeca que era chefe do toc toc em Niterói, Antônio Joaquim da Costa, Joaquim Santino Costa, José Tavares, José, enfim uma quantidade está tudo escrito e a Umbanda começou em 1908 na Federação Kardecista de Niterói. Hoje, a Umbanda está em todos os estados porque médiuns daqui saíram para o Rio Grande porque não pude levar o meu aparelho lá, mas levei ao estado do Rio, levei a São Paulo onde criei mais de vinte Tendas, em Minas, enfim, no Espirito Santo também tem, de curas que fez lá e foi necessário se fazer Tendas espíritas da nossa Umbanda querida nestes estados. A Umbanda tem progredido e vai progredir, é preciso haver sinceridade na Umbanda, sinceridade, este amor de irmão para irmã porque eu prevenia, sempre prevenia apelando para o General, hoje General e para companheiros que me acompanham a muitos anos: a vil moeda vai atrapalhar a Umbanda, médiuns que vão se vender e que serão mais tarde expulsos como Jesus expulsou os vendilhões do templo. Um perigo do médium homem e a consulente mulher, do médium mulher e o consulente homem. É preciso estar sempre de prevenção porque os próprios objetores, os próprios espíritos que atacam as vossas casas fazem com que toque alguma coisa ao coração da mulher que fala com pai de terreiro como faz atacar o coração do homem que fala a mãe de terreiro e é preciso ter muito cuidado, haver moral, para que a Umbanda progrida e seja uma Umbanda de humildade, amor e caridade. É esta a nossa bandeira. E acreditem vocês meus irmãos, acreditem vocês, que neste momento me rodeiam diversos espíritos que vem trabalhando na Umbanda do Brasil. Por que havia necessidade, não veio por acaso não, eu trouxe uma ordem, uma missão, porque venho há muito tempo dizendo aquilo que ia acontecer, desde o terremoto de Lisboa em 1755* até este momento e tudo aquilo que eu dizia que ia acontecer acontecia. Pois bem, sejam humildes, tragam amor no coração, mas amor de irmão para irmão porque as vossas mediunidades ficarão muito mais limpas e puras, úteis a qualquer espírito superior que possa baixar. Que os vossos aparelhos estejam sempre limpos, que os vossos instrumentos estejam sempre afinados com as virtudes que Jesus pregou na Terra para que tenhamos boas comunicações, boas proteções, para todos aqueles que possam ir em busca de socorro nas nossas casas de Umbanda, nas nossas casas de caridade em todo Brasil.  Meus irmãos, este aparelho está velho já com 80 anos a fazer, mas começou antes dos 18, se eu disser que eu o ajudei para que ele pudesse se casar, para que ele não pudesse andar dando cabeçadas, para que fosse um médium aproveitável, como eu disse na federação e está lá escrito, fui procurar as mediunidades que ele tinha para fazer a nossa Umbanda no Brasil, e todos estes, a maior parte ou todos estes que trabalham em Umbanda se não passaram por esta Tenda, passaram por filhos saídos desta Tenda que criaram outros Terreiros. Das sete Tendas criadas por mim no Distrito Federal, muitas Tendas tem saído para fazer a caridade ao seus semelhante ao seu próximo. Tenho uma coisa  a vos pedir: A lembrança que Jesus veio ao planeta Terra na humilde manjedoura não foi por acaso não, foi porque o Pai assim quis e determinou porque podia ter procurado uma casa de um potentado daquela época do cristiano e outros, mas não, foi escolher aquela que seria Mãe de Jesus, o espírito que vinha traçar à humanidade seus passos para ter saúde paz e felicidade. Aproveitando o nascimento de Jesus, a humildade que ele baixou nesse planeta, na humilde manjedoura, que os anjos que anunciaram a Maria que ela ia ser mãe sem ser esposa, os anjos, a estrela que iluminou aquele presépio, aquele estábulo, que levou os Três Reis Magos a sua presença firma pra vocês, iluminando os vossos espíritos que os que tenham praticado, que Deus perdoe tudo aquilo que vocês tenham feito. Que Deus perdoe as maldades que possam ter sido pensadas para que a paz possa reinar nos vossos corações e nos vossos lares. Eu meu irmão, como o menor espírito que baixou nesta terra, mas amigo de todos, numa concentração perfeita de espíritos que me rodeiam neste momento, que eles sintam a necessidade de cada um e ao saírem deste templo de caridade, que vocês encontrem os caminhos abertos, os vossos enfermos melhorados e curados e a saúde para sempre nas vossas matérias.Com paz saúde e felicidade, com humildade amor e caridade, sou e serei sempre o humilde Caboclo das sete Encruzilhadas".

*Em vida o Caboclo das Sete Encruzilhadas foi o Jesuíta Frei Gabriel de Malagrida, que previu este terremoto, perseguido pelo Marques de Pombal. Foi vítima de intrigas que o levaram a fogueira da “Santa Inquisição”, tendo por acusação maior ter previsto este terremoto. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário